domingo, abril 01, 2018

Culto da morte

O Brasil não deve liberar ou facilitar o porte de armas para civis (pessoas comuns). Assim deixa de incentivar mortes violentas.

Que os cidadãos brasileiros não morram por armas de fogo. 

Que se envenenem com álcool, cigarro, remédios. Tenham a morte lenta das drogas lícitas ou incentivem mais criminosos ao usar drogas ilícitas.

Que morram lentamente pela falta de recursos da saúde pública, causada por crimes de colarinho branco. Esse pessoal que deveria prestar serviços para o povo mas só abusa do poder que tem, seja funcionário concursado ou político eleito pelo voto da maioria.

Há muitas formas de matar a serem combatidas. O trânsito nos presenteia com números maiores do que de países em guerra. Comecemos por evitar mortes violentas: não à liberação de armas de fogo. Sejamos um país pacífico a favor da vida.


Um pequeno passo contra a destruição que nossa sociedade acostumou a incentivar. Sejamos contra o culto da morte.

sábado, março 17, 2018

Sobre jardinagem

A jardinagem entrou na minha vida em 2017 com uma violeta, brinde do dia internacional da mulher. Ela não escolheu ser presente, a planta chegou em minhas mãos com um aspecto belo e comercial. Depois as flores caíram e passei meses cuidando das folhas.
Vez ou outra alguém colocava água demais, afogaram-na duas vezes no período de um ano. Cuidei pacientemente para que voltasse ao normal. Água em demasia num fim de semana, um mês em recuperação. Mas a vida não é só desgraça e raiva da alma caridosa enxerida que quase mata minha planta. Nesse primeiro ano ao meu lado, a violeta floriu duas vezes: veio roxa, floriu branca com bordas roxas, agora prepara seus botões. Somente água na medida certa, nada de adubo até a última semana antes do seu “aniversário”, quando recebeu sua primeira dose de bokashi. Esse tipo de adubo é ótimo para orquídea, a violeta recebeu porque também a cultivo no local de trabalho, onde ambas vivem.
Cultivando violeta e orquídea percebi que a violeta é muito mais reativa, fica fácil perceber o que se passa com ela. Já a orquídea desenvolve-se lentamente, não sei se reguei bem, se ela gostou do local, demorou cinco meses para brotar uma raiz. No geral devo cuidar bem. Enquanto a violeta muda de uma semana para a outra. Por isso achei uma ótima planta para iniciação em jardinagem.
Todas as plantas exigem disciplina quanto a cuidados. Violeta suporta no máximo duas regas por semana nas estações quentes, gosta de solo seco, pouca água nas regas, nas estações frias o ideal é regar uma vez por semana. Ela não tem limite de absorção, com água demais suas folhas amolecem e suas raízes podem apodrecer.
Orquídea é outra espécie que gosta de pouca água e luz indireta. Cuido para que seu cachepô não acumule água, quando é dia de regar e já tem água no fundo, descarto a água e não rego. Faço o mesmo com a violeta.
Decidi cultivar hortelã, ela gosta de solo sempre úmido e muito sol. Fica fora de casa e rego um pouco quando o solo está seco. Acompanhando a hortelã, chegou o tostão, também conhecido como dinheiro em penca. Um arbustinho de caule vermelho e folhas pequenas que gosta de sol e umidade. Cultivo-os a menos de um mês.
Meus pais sempre gostaram de planta, mas o incentivo que faltava para a jardinagem veio do entusiasmo de uma amiga de trabalho, aquela que me deu um pouco de bokashi. Por causa dela já planejo montar um terrário em junho. Material não é difícil conseguir: descobri em casa musgo e aspargo samambaia, plantas boas para terrários; já tenho um aquário pequeno vazio desde os tempos em que desisti de cuidar de peixes, algumas decorações pequenas. Terrário fechado precisa de água a cada dois ou três meses, o maior trabalho depois de montado é cuidar do tamanho das plantas.
Será que um dia resolvo cultivar bonsai? Exigem inúmeros cuidados. Meu primo Fernando, em Brasília, certamente me apoiaria. Por enquanto vejamos como me saio com plantas de porte pequeno. No último oito de março ganhei uma kalanchoe, ficará bonita em casa. Até agora minha violeta está de prova de que sei cuidar de seres clorofilados.

sábado, março 10, 2018

"Meus heróis morreram de overdose"

Cantava Cazuza em Ideologia.
Quem busca meios de fugir da realidade é porque não gosta dela. Drogas lícitas, ilícitas, livros de romance, livros de fantasia... Não! Ninguém suporta a realidade o tempo todo, é preciso tirar os pés do chão vez ou outra.
Porém quem morre de overdose sofre a consequência de fugir demais da realidade, buscar o prazer desesperadamente. Essas pessoas não se prepararam para a realidade, desprezaram-na. São fracos? Não. São apenas falhos, derrotados. Não acredito que ninguém nasça para morrer de overdose, a intenção da vida é sempre superação, melhora. Na vida nem sempre tudo dá certo, o mundo não foi feito para nos agradar. O mundo foi feito pra gente aprender com ele.

sábado, janeiro 13, 2018

Bicho de estimação


Qual a finalidade primordial de um bicho de estimação? Fazer companhia. Essa é a finalidade com que criam-se bichos de estimação.

Porém no dia a dia esquecemos essa finalidade. Incluímos na rotina mais uma tarefa: cuidar do bicho; esquecemos porquê escolhemos cuidar dele e chegamos a nos irritar por ter incluído uma tarefa que não nos leva a nada em nossa rotina tão comprometida.

Achamos que conviver com o bicho é apenas alimentá-lo, limpá-lo, vaciná-lo, levar ao veterinário caso ele adoeça. Achamos que conviver é dar meios para que o bicho sobreviva saudável. Alguém escolhe animal de estimação somente para ter um bicho saudável por perto? Se o animal é de estimação a intenção é estimá-lo, dar carinho, fazer companhia. Isso mesmo! Fazer companhia para um bicho! Trata-se de uma via de mão dupla: ele faz companhia para você, você faz companhia para ele. Convivência, brincadeiras, adestramento, esses momentos alimentam sua estima pelo animal, não apenas os cuidados básicos para sobrevivência. Esses momentos agregam o animal como parte da família.

Cuidados com a saúde do animal é coisa que todos criadores comerciais oferecem; você leva para casa para dar carinho, atenção especial, deixar o bicho feliz. Espera um minuto! Comprei o bicho para ELE me deixar feliz, não o contrário! Pobre animal. Nenhum ser vivo tem obrigação de fazer o outro feliz, cada um é programado para buscar apenas a própria felicidade. Se você quer um bicho de estimação, é sinal de que você quer acompanhar, cuidar do bem físico e psicológico dele. Animal tem vida psicológica, sim! Animal tem sentimentos, se comunica com os da própria espécie e pode tentar se comunicar com você também, por isso faz companhia. Não é ele quem escolhe te acompanhar, é você quem busca um ser vivo para cuidar, é você quem deve deixar o bicho feliz.

Seu animal de estimação é mais uma boca para alimentar ou realmente faz parte da família? Não desperdice a oportunidade de conviver com esse pedaço de natureza.